[RESENHA] Quem é você, Alasca?

14:15 7 Comments A+ a-




QUEM É VOCÊ, ALASCA?
Autor: John Green
ISBN: 978-85-7827-342-2 
Editora: Martins Fontes


SKOOB | Comprar na SARAIVA
Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras que, cansado de sua vidinha pacata e sem graça em casa, vai estudar num colégio interno à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o "Grande Talvez". Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young, uma garota inteligente, espirituosa, problemática e extremamente sensual, que o levará para o seu labirinto e o catapultará em direção ao "Grande Talvez".


Falar em John Green é lembrar do clássico A culpa é das estrelas, que o projetou como autor a nível internacional. Depois, entretanto, foram surgindo novos livros do autor, quase tão clássicos quanto o primeiro. Com a obra Quem é você, Alasca? não foi diferente. Basta dar uma conferida na frase que inicia o texto presente na contracapa do livro:
“Se as pessoas fossem chuva, eu seria garoa e ela, um furacão”.
Miles Halter é um adolescente como outro qualquer. Em busca de uma vida nova e novas experiências, o jovem parte para a escola interna de Culver Creek, para se aventurar longe do ninho familiar e da super proteção dos pais. Seu pai estudou lá na juventude e Miles espera ardentemente que sua vida enfim tenha início nesse novo e inexplorado lugar. Num primeiro momento, fica claro que os pais do garoto pouco o conhecem, pois alimentam a esperança do filho ser popular na escola, cheio de amigos e super bem entrosado. Miles, na verdade, é tímido, introvertido, mas sedento por novas experiências.
Fui até o escritório do papai e achei a biografia de François Rabelais. Eu gostava de ler biografias de escritores, mesmo que (como era o caso com o Monsieur Rabelais) não tivesse lido nenhum de seus livros. Folheei as últimas páginas e encontrei uma citação destacada com marca-texto (...) Então, esse cara, eu disse, parado à porta da sala. “François Rabelais. Era poeta. Suas últimas palavras foram: ‘Saio em busca de um Grande Talvez’. É por isso que estou indo embora. Para não ter de esperar a morte para procurar o Grande Talvez” (p. 5).
Miles era simplesmente fascinado em colecionar últimas palavras. Sobretudo as célebres. Chegando ao novo lar, ele conhece Alasca Young, a jovem e misteriosa que dá nome ao livro. Alasca tem problemas familiares e um psicológico nada convencional para uma garota tão nova e cheia de vida. Mesmo assim, uma atração entre os dois é inevitável.
Entramos. Eu me virei para fechar a porta, mas o Coronel balançou a cabeça e disse: “Depois das sete temos que deixar a porta aberta se estivermos no quarto de uma garota”, mas eu quase não o ouvi, pois diante de mim estava a garota mais linda da história da humanidade, com jeans cortados à altura das coxas e uma camiseta regata cor de pêssego” (p.15).
É impossível não ressaltar o fato de que os personagens criados por John Green são magistralmente bem construídos. Dez páginas depois e a gente já sente que somos seus amigos de infância ou mesmo, parentes bem próximos. O mais impressionante, em minha modesta opinião, é que ele tem o dom de transformar antagonistas em protagonistas, como acontece com alguns personagens de menor impacto nesta história. O colega de quarto de Miles, apelidado de Coronel, é um deles. Como todos os outros, ele também tem os seus problemas, mas lida com bom humor e descontração com a maioria deles.

O livro em si é divido em duas partes: ANTES e DEPOIS. É óbvio que o leitor fica imediatamente curioso com as citações do tipo Centro e vinte e oito dias antes, mas isso não impede que a leitura siga seu rumo, de maneira saudável e nada convencional. Acho até bem prático dizer que o livro é como uma montanha russa de emoções. Inúmeros são os temas abordados, que vão desde sexualidade até alcoolismo juvenil e relacionamentos familiares. Todos de maneira exemplar, beirando a perfeição.
As palavras ‘bebida’ e ‘farra’ me deixaram receoso de que eu tivesse me envolvido com o que minha mãe chamava de ‘as pessoas erradas’, mas eles pareciam inteligentes demais para serem as pessoas erradas (p.20).
Um detalhe essencial: Miles é o protagonista, o narrador, mas Alasca é, sem dúvida, a principal fonte de brilho desta trama. Por diversas vezes, ela nos irrita e nos confunde, como por exemplo quando Miles vai lhe pedir socorro depois de sofrer um trote um tanto violento logo depois de chegar ao internato. Alasca mal lhe abre a porta do quarto e o destrata.

Qualquer leitor, mesmo eu, que já estou na casa dos trinta, certamente já teve dias inesquecíveis na escola e amigos, cujos rostos e atitudes irá levar consigo para toda a vida. A este, é uma missão extremamente difícil não se envolver com este livro. Penso que, por mais um livro nos faça chorar, sofrer ou simplesmente dar umas boas gargalhadas que logo depois são esquecidas, o mais importante são as horas mais do que agradáveis que passamos em sua companhia. Como é o caso desde livro. Vida longa a John Green! Ele é perfeito!

7 comentários

Write comentários
Unknown
AUTHOR
14 de março de 2014 19:58 delete

Oi Rafael, tudo bom?
Muito medo de ler essa resenha, por que ainda não li o livro!
Eu amo as temáticas simples e profundas do John, o jeito filosófico que ele trata coisas banais, o romance adolescente visto de uma forma diferente, bonita, genuína, sabe?
Sou apaixonada por ACEDE, não pela modinha. Amo Teorema Katherine e, apesar de não concordar com muitas coisas da Margo Roth, amo Cidades de Papel. Minha próxima leitura do John será Alasca e espero não me decepcionar!
Beijão
Endless Poem

Reply
avatar
Catharina M.
AUTHOR
15 de março de 2014 11:30 delete

Uau que linda sua resenha, essa leitura deve ser simplesmente maravilhosa, quero muuuito comprar o livro haha não vejo a hora *-*
Lindo blog ;)

Beeeijos
http://realityofbooks.blogspot.com.br/2014/03/resenha-como-eu-era-antes-de-voce-jojo.html
Comeeeente <3

Reply
avatar
28 de março de 2014 06:48 delete

Acredita que ainda não li nenhum livro dele. Minha tia é louca pra eu ler A Culpa é das Estrelas, mas sempre fiquei com um pé atrás. Mas ganhei Cidades de Papel e pretendo ler ele ainda esse ano.
Agora a sua resenha. Adorei, é clara, objetiva e com toda a certeza fiquei curiosa para ler o livro, mas ainda vou aguardar um pouco.
Abraços
Vivi

Reply
avatar
Unknown
AUTHOR
31 de março de 2014 08:34 delete

Não gostei de A Culpa é das Estrelas mas todos falam que esse é o melhor e pela resenha parece ser um pouco melhor, preciso dar uma chance pra esse autor novamente.

Reply
avatar
Melissa Leal.
AUTHOR
5 de abril de 2014 17:23 delete

A Culpa é das Estrelas é um ótimo livro do John. Tenho certeza que "Quem é você,Alasca?" não vai me decepcionar. A resenha tá bem legal e me ajudou a entender um poquinho da história, que com toda certeza irei ler. ( Nossa, a capa poderia ter sido melhor. :x)

Reply
avatar
Unknown
AUTHOR
14 de junho de 2014 21:50 delete

Meus parabéns! Amei a maneira que vc usou para se
expressar, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso...
se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas
religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias
cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus
jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura...a capa
do livro é linda ela traz o universo como tema.

http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=78725243

Reply
avatar

Obrigado por comentar!